110 anos de Kate, The Great

De todas as grandes atrizes – Davis, Bergman, Stanwyck, de Havilland – Katharine Hepburn é a menos acarinhada. A diva tem um talento desmedido, disso ninguém duvida. É a sua presença tão forte quanto as arestas angulosas do seu rosto pronunciado, a par da sua impetuosidade, que gera esse fantasma agridoce que assombra o mito da atriz.

katharine-hepburn-10
Angulosa e carismática

Pessoalmente, aqui revelo a minha verdade: sou fã da Kate, essa atriz

katharine-hepburn
Agressiva

fantástica, essa mulher culta (tirou o curso superior de Filosofia numa altura em que isso não tinha nada de comum), feminista (a sua mãe era sufragista) e repleta de uma androginia perversa (fazia questão de vestir calças o que era uma consciente provocação). Mesmo não sendo apreciada por muitos, o AFI nomeou-a, em 1999, a maior estrela de cinema de todos os tempos. Não concordo. É certo que Kate tem uma carreira muito longa e sólida e pôde colocar mais óscares no peitoril da lareira que qualquer outra atriz. No entanto, julgo que Davis (que ficou em 2º lugar), de tão acarinhada, deveria ter ocupado o posto supremo.

 

A falta de simpatia por Kate sempre existiu. A atriz, embora tendo um
início auspicioso, foi considerada, em meados dos anos 30, veneno de bilheteria. A sua sorte mudou quando interpretou, na Broadway, a personagem principal (que foi precisamente nela inspirada) da triunfante peça The Philadelphia Story. Este projeto virou filme em 1940, tendo igualmente Kate como estrela. A partir daí, o público rendeu-se aos seus encantos e a diva passou a ter uma longa e bem sucedida carreira no cinema.

Katharine-Hepburn-INT01
Temperamental

Quando penso na possibilidade de criar uma boxset de cinco filmes de hepburn_katharine_320x240Kate, surge-me uma dor de cabeça, porque me deparo com imensos títulos prestigiosos e sumarentos (e em vários géneros): Little Women, The Philadelphia Story, Adam’s Rib, The African Queen, The Lion in Winter… e, claro, a minha comédia favorita, a mais inteligentemente disparatada comédia que já foi realizada (e duvido que se volte a fazer tal loucura dado vivermos, hoje, num mundo seríssimo, cinzento, politicamente “muito” correto, enfim, hipócrita), Bringing Up Baby.

 

 

É inevitável, ao falar em Kate, não mencionar Spencer Tracy, um dos

151113_YMRT_Spencer-Tracy-Katherine-Hepburn.jpg.CROP.promo-xlarge2
Spencer e Kate (imagem publicitária)

melhores atores de sempre e, muito provavelmente, o homem que a atriz mais amou. Os dois são grandes em solitário, mas quando se unem, a magia da dupla de cinema acontece. E acontece num pretexto muito particular. Espanta-me que vários dos filmes em que ambos entraram sejam tão liberais, tão feministas, ainda mais quando vêm com o selo do estúdio mais conservador, a MGM.

 

MBDALAD EC036
No sobrevalorizado Alice Adams (1938)

Com filmes cheios de boas performances e cotações e uma lareira apinhada de óscares, Kate, que nasceu há 110 anos, enche-me a alma cinéfila.

 

Esta crónica foi originalmente publicada para o jornal O Interior.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s